Dissertação de Mestrado    

METODOLOGIA DE PESQUISA   


A generosidade do
saber 
deve ser a missão
de todo pesquisador.

:: Introdução

:: Objetivo

:: Justifica

:: Referencial teórico

:: Metodologia pesquisa

:: Amostra da pesquisa

:: Coleta de dados

:: Análise de dados

:: Conclusão

:: Bibliografia

:: Retorna


 

...................................

 

 

 

 

 

 

Dúvidas? Fale com a gente!

 

 

 

 

 

 

 

 

Colabore com esse projeto, faça as suas sugestões.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apoio - Netimóveis.com

 

3 – METODOLOGIA DE PESQUISA

Esse capítulo tem como objetivo apresentar as técnicas de pesquisas para o desenvolvimento do presente trabalho. Para consecução dessa pesquisa e a delimitação do universo a ser estudado, pretende-se cumprir as seguintes etapas:

1.      Calcular o tamanho da amostra;

2.      Estabelecer as técnicas para a coleta de dados;

3.      Proceder às análises estatísticas;

4.      Interpretar os dados obtidos.

 

3.1 – Tipo de pesquisa

3.1.1  Tipo de pesquisa quanto à abordagem

A metodologia de uma pesquisa é o instrumento pelo qual a investigação do problema proposto é viabilizada, a fim de que os objetivos traçados sejam atingidos. Portanto, a metodologia é um meio e não um fim em si mesma, o que não isenta o pesquisador de dar especial atenção a ela. Afinal, estratégias metodológicas inconsistentes podem comprometer o rigor que deve haver em um trabalho científico, provocando vieses significativos e colocando sob suspeita as conclusões da pesquisa. É nesse cenário que o pesquisador deve eleger a metodologia mais adequada.

Mediante os objetivos e finalidades desse estudo, do ponto de vista da abordagem optou-se por realizar uma pesquisa de natureza descritiva, utilizando o levantamento do tipo survey, com base em corte transversal, com variáveis quantitativas conforme descrito por Malhotra (2001), Cervo; Bervian (1996), Vieira (2002), Mattar (1996), Marconi; Lakatos (1996) e Perin et. al. (2002). Entretanto, na sua primeira fase a pesquisa a ser desenvolvida terá um cunho qualitativo em função da necessidade de se realizar um estudo exploratório, compreendendo a realização de grupos de foco e entrevista com especialistas, buscando assim descobrir o que está faltando em relação ao problema de pesquisa. De acordo com Richardson (1999, p. 80):

Os estudos que empregam uma metodologia qualitativa podem descrever a complexidade de determinado problema, analisar a interação de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos vividos por grupos sociais, contribuir no processo de mudança de determinado grupo e possibilitar, em maior nível de profundidade, o entendimento das particularidades dos comportamentos dos indivíduos.

Não raramente, alguns pesquisadores referem-se à pesquisa quantitativa como sendo aquela que trabalha com números, fazendo-se o uso de modelos estatísticos para explicar os dados; e a pesquisa qualitativa como sendo aquela que evita trabalhar com números, buscando as interpretações sociais. Entretanto, segundo Bauer, Gaskell e Allum (2002), as diferenças entre pesquisa quantitativa e qualitativa ultrapassa a simples escolha de estratégias de pesquisa e procedimentos de coleta de dados; na verdade, representam posições epistemológicas antagônicas, com modos de investigação mutuamente exclusivos.

Para Miles & Hubeman (1994) a utilização da pesquisa qualitativa, além de oferecer descrições ricas sobre uma realidade específica, ajuda o pesquisador a superar concepções iniciais e a gerar ou revisar as estruturas teóricas adotadas anteriormente, oferecendo base para descrições e explicações muito ricas de contextos específicos. Além disso, a pesquisa qualitativa ajuda o pesquisador a ir além de concepções iniciais e a gerar ou revisar estruturas teóricas.   

De acordo com Vieira (2002) e Malhotra (2001), os tipos de pesquisa mais empregados em marketing são as pesquisas exploratórias, as descritivas e as causais.

[...] a pesquisa descritiva procura descobrir, com a precisão possível, a freqüência com um fenômeno ocorre, sua relação e conexão, com os outros, sua natureza e características, correlacionando fatos ou fenômenos sem manipulá-lo. (Cervo; Bervian, 1996, p. 49).

Vieira (2002) e Malhotra (2001) concordam com tal afirmativa, destacando que a pesquisa descritiva objetiva conhecer e interpretar a realidade, por meio da observação, descrição, classificação e interpretação de fenômenos, sem nela interferir para modificá-la.

Complementando, Vieira (2002) destaca ainda que as pesquisas descritivas podem se interessar pelas relações entre variáveis, e desta forma, aproximar-se das pesquisas experimentais. A pesquisa descritiva expõe as características de determinada população ou fenômeno, mas não tem o compromisso de explicar os fenômenos que descreve, embora sirva de base para tal explicação.   

Em estudo realizado por Perin et. al. (2002), gráfico 3, sobre os artigos da área de marketing publicados nos anais dos Encontros da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração (ENANPAD), entre 1990 e 1999, o autor mostra que, dentre os 108 artigos analisados, 61 (61,11%) foram classificados como de natureza descritiva, 32 (29,63%) foram caracterizados como pesquisa exploratória e 10 (9,26%) como do tipo causal. Nota-se, portanto, a prevalência do método de estudo por meio de pesquisas descritivas adotado por parte dos pesquisadores da área de marketing nos encontros da ENANPAD no período analisado.

 

Gráfico 3 – Relação dos métodos de pesquisas adotados em artigos da área de marketing publicados nos anais da ENANPAD entre 1.990 e 1.999.
Fonte: Organizado pelo autor com base no estudo realizado por Perin et. al. (2002).

 

3.1.2 – Tipo de pesquisa quanto aos fins. Quanto aos fins essa pesquisa será:

·        Aplicada, pois visa à geração de conhecimentos para aplicação prática, direcionando-os para a solução de problemas específicos e envolvendo verdades e interesses locais e não universais. Segundo Selltiz (1974, p. 7):

Existem dois tipos gerais de razões para a proposição de questões de pesquisa: as intelectuais, baseadas no desejo de conhecer ou compreender, pela satisfação de conhecer ou compreender; as práticas, baseadas no desejo de conhecer a fim de tornar-se capaz de fazer algo melhor ou de maneira mais eficiente. (grifos do original).

·        Exploratória e descritiva (Vergara, 1988, p. 35). Exploratória porque não se encontraram informações cientificamente produzidas que atendessem as necessidades da pesquisa proposta. Descritiva porque tem por objetivo conhecer e descrever os atores de um mercado específico bem como entender o seu comportamento para a formulação de estratégias;

 

 

Copyright © 2.004 - Ariano Cavalcanti de Paula - Belo Horizonte MG - Fone: 31 3287-3535